AD História

Gunnar Vingren – 133 anos

Nascido no dia 8 de agosto de 1879, na Suécia, Adolf Gunnar Vingren é um dos fundadores da Assembleia de Deus no Brasil, e um de seus mais importantes líderes. Vingren pastoreou as igrejas em Belém/PA e Rio de Janeiro/RJ. Retornou para a Suécia no ano de 1932, meses antes de descansar no Senhor.

Sua biografia e testemunho de vida nos mostra que Deus usa quem quer, e através daqueles que ele chama grandes obras são realizadas. Vingren era jardineiro, profissão que aprendeu com seu pai, mas tornou-se pastor e missionário, e um exemplo de cristão que se dedicou até o fim à obra de Deus.

Anúncios
Padrão
AD História

Assembleias de Deus no Brasil – 101 anos

A 101 anos atrás os missionários Gunnar Vingren e Daniel Berg, com um grupo de 18 irmãos, fundaram a Missão de Fé Apostólica, que depois teve o nome mudado para Assembleia de Deus. Hoje é a maior denominação evangélica do Brasil e uma das maiores do mundo! Parabéns Assembleias de Deus!

Padrão
AD História

13 de junho de 1911

Primeira Igreja Batista do Pará, à época em que recebeu os missionários Daniel Berg e Gunnar Vingren.

O dia 13 de junho é uma data chave na história da Assembleia de Deus no Brasil. No ano de 1911, nesta data, 13 membros da Igreja Batista de Belém foram excluídos por terem aceitado a doutrina pentecostal trazida pelos missionários suecos Gunnar Vingren e Daniel Berg.

Vingren e Berg estavam a alguns meses participando dos cultos na Igreja Batista, que os acolheu por terem origem batista. Nas oportunidades que tinham, falavam à igreja sobre o batismo com o Espírito Santo. Alguns irmãos e obreiros aceitaram a pregação e simpatizavam com os missionários. Mas haviam aqueles que consideravam a presença e a pregação dos suecos um perigo para a igreja. A situação tornara-se mais delicada quando os missionários passaram a realizar cultos e a ensinar a doutrina pentecostal no porão da igreja, onde estavam hospedados. Muitos irmãos ansiosos por conhecer o batismo com o Espírito Santo insistiam que os missionários lhes ensinassem. Inconformado com o movimento pentecostal que se instalava extraoficialmente na igreja, o evangelista Raimundo Nobre decidiu por convocar uma reunião na igreja para que fosse decidido o futuro dos missionários e dos membros que haviam aceitado o pentecostalismo.

No dia 13 de junho de 1911 foi realizada a reunião, na qual foi condenada a atitude dos missionários, que estavam ausentes na reunião. Foram excluídos 13 membros da Igreja Batista por terem aceitado a doutrina pentecostal, incluindo José Plácido da Costa, que ocupava a função de moderador, representando o pastor da igreja. Um mês depois outros três membros também foram excluídos.

Os acontecimentos seguintes da exclusão culminaram na fundação da Missão de Fé Apostólica, que mais tarde tornou-se a Assembleia de Deus.

Fontes: ARAUJO, Isael. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.

VINGREN, Ivar. Diário do Pioneiro: Gunnar Vingren. Rio de Janeiro: CPAD, 2010.

PRATES, Denise; FERNANDES, Renato. Tributo ao Centenário das Assembleias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Betel, 2012.

ALMEIDA, Antônio Batista de. 80 Anos construindo para a glória de Deus. Belém: [s.n.], 1977.

 Seara News

Padrão
História

A Bíblia emparedada – Abraão de Almeida

Há mais de 150 anos, quando ainda não existia o túnel de São Gotardo, os que se dirigiam à Suíça procedentes da Itália, ou vice-versa, tinham de transpor o desfiladeiro do mesmo nome a pé, o que exigia muito tempo. Como era comum naquele tempo viajar-se em grupos, alguns pedreiros de Lugano se dirigiam à Suíça em busca de melhores salários. Entre estes estava Antônio, um jovem que depois de evangelizado por uma senhora, ganhara desta uma Bíblia de luxo, encadernada a couro. Embora a recebesse, não se interessou em lê-la, pois não queria saber nada do cristianismo.

Já em seu posto de trabalho em Glarus, Antônio, enquanto ajudava na construção de um edifício, zombava e praguejava com os colegas de tudo que fosse sagrado. De repente, ao rebocar uma parede, deparou com um vão que devia ser preenchido com um tijolo.

Subitamente lembrou-se da Bíblia em sua bagagem e disse aos colegas:

― Camaradas, ocorre-me uma boa brincadeira. Vou colocar esta Bíblia neste vão.

Em virtude do tamanho, a Bíblia foi espremida, danificando a encadernação.

― Vejam ― disse Antônio ― agora reboco à frente e quero ver se o diabo consegue tirá-la daqui!

Semanas mais tarde ele voltou à sua pátria.

No dia 10 de maio de 1851, irrompeu em Glarus um grande incêndio que destruiu 490 edifícios. Embora a cidade toda estivesse em ruínas, decidiu-se reconstruí-la.

Um pedreiro perito do norte da Itália, de nome João, foi incumbido de examinar uma residência ainda nova, porém parcialmente destruída. Batendo com seu martelo em diversos pontos de uma parede intacta, a certa altura deslocou-se uma parte do reboco e surgiu um livro embutido na parede. Bastante admirado ele o puxou. Era uma Bíblia…

Como teria ido parar ali? Era-lhe inexplicável, especialmente porque já possuíra uma, mas tinham-na tomado. “Esta eles não me tomarão”, cogitou.

João tornou-se um leitor da Bíblia em toda as suas horas livres. Embora entendesse apenas algumas partes dos Evangelhos e dos Salmos, aprendeu e compreendeu que era um pecador. Descobriu também que Deus o amava e que poderia obter o perdão dos seus pecados pela fé no Senhor Jesus. Quando, no outono, regressou à sua pátria e à sua família, anunciou por toda a parte a sua salvação em Cristo.

Munido de uma mala de bíblias, João aproveitava suas horas livres para divulgar o evangelho. Assim, chegou ele à região onde residia Antônio e armou sua estante de bíblias numa feira. Quando Antônio, perambulando pela feira, parou diante da estante de João, disse:

― Ora, bíblias! Disso não preciso. Basta-me ir a Glarus, pois lá tenho uma bem escondida na parede. Gostaria de saber se o diabo consegue tirá-la dali.

João fitou o homem seriamente e disse:

― Tome cuidado, jovem! Zombar é fácil. O que você diria se eu lhe mostrasse a tal Bíblia?

― Você não me enganaria ― replicou Antônio. ― Reconhecê-la-ia imediatamente, pois ela está marcada. ― E asseverou: ― Nem o diabo consegue tirá-la da parede!

João buscou a Bíblia e perguntou:

― Amigo, reconhece esta marca?

Ao ver a Bíblia danificada, Antônio calou-se, perplexo.

― Você está vendo? No entanto não foi o diabo quem a retirou da parede, mas Deus, para que você pudesse reconhecer que ele vive. Ele quer salvá-lo também.

Nesse instante, embora com sua consciência o acusando, Antônio extravasou todo o ódio acumulado contra Deus. Chamou os amigos:

― Ei, colegas! O que este sujeito, com sua estante religiosa, procura aqui?

Em poucos segundos a estante de João estava arrasada e ele mesmo violentamente agredido. Os agressores rapidamente desapareceram entre o povo.

Desde então Antônio revoltava-se cada vez mais contra Deus. Certo dia, depois de beber em demasia, caiu do andaime a dezessete metros de altura e foi hospitalizado em estado grave. João, ao saber do acidente, foi visitá-lo no hospital. Embora impressionado com a atitude de João, o coração de Antônio continuava empedernido. João o visitou cada semana. Decorrido algum tempo, o acidentado começou a ler a Bíblia, inicialmente como passatempo, e mais tarde com interesse. Certa ocasião leu em Hebreus 12:5: “Filho meu, não menosprezes a correção que vem do Senhor”.

Ora, isso se ajustava bem a seu caso. Antônio prosseguiu a leitura, e a Palavra de Deus, capaz de esmiuçar a penha, passou a operar em sua vida. Reconheceu sua culpa e confessou-a a Deus. Creu verdadeiramente na obra de Cristo consumada na cruz. Sua alma convalescera, porém seu quadril, paralisado, o incapacitava para a sua antiga profissão. Encontrou um serviço condizente com suas aptidões, e, mais tarde, casou-se com a filha de João, agora seu sogro, amigo e pai na fé.

Antônio já está, há muito, na pátria celestial, mas a Bíblia por ele emparedada permanece como uma valiosa herança de seus descendentes.

Abraão de Almeida

Padrão
AD História

Missionária Otília Macedo – histórias da Assembleia de Deus em Madureira

A missionária Otília Macedo é um dos membros mais antigos da Assembleia de Deus em Madureira, e é uma das Fundadoras da CIBE, em 1941. Nesse depoimento ela nos conta histórias que aconteceram na época que o templo da AD em Madureira ainda ficava na Rua João Vicente, 7. Hoje esse templo não existe mais, no seu lugar foi construído um prédio onde funciona o Instituto Bíblico Ebenezer. É uma rápida viagem na história da maior denominação do Brasil.

O livro “Tributo ao Centenário das Assembleias de Deus no Brasil” pode ser adquirido na Loja Virtual da Editora Betel.

Padrão
AD História, o autor diz..., vídeo

Tributo ao Centenário das Assembleias de Deus no Brasil – Lançamento e Preview

Vídeo do lançamento do livro Tributo ao Centenário das Assembleias de Deus no Brasil, realizado no dia 21 de abril pelo pastor Abner Ferreira, presidente da AD Madureira e diretor da Editora Betel, durante a Assembleia Geral Extraordinária da CONAMAD, em Brasília.

Tributo ao Centenário das Assembleias de Deus no Brasil é um livro de Edição Limitada, confira abaixo o preview book e garanta já o seu, compre aqui!

Padrão
AD História

1º de maio e o Ministério de Madureira

O dia 1º de maio é uma data curiosa dentro da Assembleia de Deus Ministério de Madureira. Vários fatos importantes aconteceram nessa data.

Em 1953 era inaugurado o Templo Matriz em Madureira. No dia estiveram presentes cerca de 8 mil pessoas, vindas de diversas partes para louvar a Deus e agradecer pela conclusão do majestoso templo.

Em 1960, era publicado a primeira edição do jornal O Semeador, na época jornal da União de Mocidade da Assembleia de Deus. O jornal havia sido criado em 21 de abril daquele ano, pelo pastor Paulo Leivas Macalão, atendendo à iniciativa do na época presbítero Geraldo Correia. Em 19 de abril de 1970, em reconhecimento aos serviços prestados ao Ministério de Madureira, o jornal O Semeador tornou-se órgão oficial da CNAMEADMIF, atual CONAMAD, status que permanece até hoje.

Em 1964 era consagrado ao pastorado Manoel Ferreira, hoje presidente da CONAMAD. Na ocasião ele ouviu a frase que era marca registrada de Paulo Macalão: “Sê fiel até a morte!”.

E em 1991 entrava em operação a Editora Betel, editora do Ministério de Madureira.

Fonte: Tributo ao Centenário das Assembleias de Deus no Brasil.

Padrão