AD História, mundo cristão, o autor diz...

Tributo ao Centenário das Assembleias de Deus no Brasil – Editora Betel

Finalmente foi lançado o tão esperado livro “Tributo ao Centenário das Assembleias de Deus no Brasil”, da Editora Betel!

Escrito por Denise Prates e Renato Fernandes, narra os fatos históricos das Assembleias de Deus em ordem cronológica, desde os primórdios em 1910 até as comemorações do Centenário em 2011 nas cidades de Belém do Pará, São Paulo e Rio de Janeiro.

Contando de forma inédita a história do Ministério de Madureira, este livro é um verdadeiro legado para a atual e para as futuras gerações de assembleianos. Não perca a oportunidade de conhecer essa história de fogo e glória de Deus!!

Para conhecer mais sobre essa importante obra, curta a página do TCADB no Facebook!

O livro pode ser comprado nesse link.

Anúncios
Padrão
mundo cristão

Viver e Cantar

viver e cantar

A capa já é uma coisa interessante, você olha para ela e não entende nada, né? Tem três folhas de papel, meio amassadas, meio que jogadas, um vermelho, um bege e um marrom mais escuro e escrito ‘Viver e Cantar’, aparentemente com a letra de alguém. Realmente, você pode olhar assim e pode achar: ‘Meu! Que coisa estranha!’, não é?
Pra começar essa letra que está escrito ‘Viver e Cantar’ é a minha letra assim como a letra que você vê no decorrer do encarte, no nome de todas as músicas. O Zé Carlos Gasparazzo, que é designer gráfico responsável pela arte do CD, escaneou. As fotos foram tiradas pelo Chapolim, a Gláucia também ajudou na direção de fotografia. As folhas rasgadas na capa, na verdade, representam cada uma, um dos três blocos do CD, divididos por assuntos teológicos. Os interlúdios são para o ouvinte perceber que estamos mudando de bloco.
O primeiro bloco, representado pela folha vermelha, é o bloco da história da redenção, tem uma abertura, depois tem quatro músicas, uma que fala sobre a morte de Cristo – o sacrifício -; a segunda fala sobre a ressurreição, que é a música ‘Ele Vive’. A terceira música, ‘Ele virá’, fala sobre o tempo do fim, a música cinco, ‘Um dia’, fala sobre a nova Terra. Depois vamos para o segundo bloco, que está representado na capa pelo papelzinho bege. Esse bloco fala sobre o relacionamento com Deus, e são: um interlúdio, depois quatro músicas com foco, principalmente, na liberdade, no conhecimento da verdade ‘Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará’, e este conhecimento real da palavra de Deus. Um conhecimento real da pessoa que é Deus, no relacionamento íntimo e pessoal, que é o que nos dá a liberdade. E no último bloco, mais um interlúdio e quatro músicas no assunto louvor e adoração; estilos de louvor e adoração diferentes, aproximações e abordagens diferentes desse assunto.
Depois tem um pós-lúdio e duas faixas bônus. Uma das faixas bônus é ‘Nachamu, Nachamu’, que é uma música em hebraico do meu CD de música judaica que será lançado, acredito que até o fim do ano. Eu espero que até o final do ano a gente tenha esse CD também, de música judaica, isso é uma prévia já. A música é toda em hebraico, sobre o texto bíblico de Isaías 40, versículo de 1 a 3, ‘Consolai meu povo, diz o Senhor’ e assim por diante, você que está aí na sua casa pode pegar sua bíblia e conferir. E a segunda faixa bônus que é o ‘Ele virá’, numa outra versão, essa é a versão acústica, no final tem a versão completa.

Padrão
mundo cristão

DESAFIANDO GIGANTES

df3
Nunca Desista, nunca volte atrás, nunca perca a fé. O poder da crença proporciona a habilidade de vencer.
 
Nos seus seis anos como técnico de futebol americano de uma escola, Grant Taylor (o ator que faz esse papel é o próprio diretor do filme) nunca conseguiu levar seu time Shiloh Eagles a uma temporada vitoriosa. E ao ter que enfrentar crises profissionais e pessoais aparentemente insuperáveis, a idéia de desistir nunca lhe pareceu tão atraente. É apenas depois que um visitante inesperado o desafia a acreditar no poder da fé que ele descobre a força da perseverança para vencer.
 
O filme, uma iniciativa da igreja Sherwood Baptist Church, em Albany (EUA) é considerado o maior sucesso do cinema cristão dos últimos anos. Agora, os responsáveis pelo projeto decidiram fazer um balanço da iniciativa. E a informação mais importante é que mais de 3 mil pessoas enviaram e-mails para a igreja dizendo que entregaram suas vidas para Jesus depois de ter assistido ao filme.
 
Rodado com uma única câmera e com elenco e equipe de 500 membros voluntários, ”Desafiando Gigantes” mostra uma história atual e com uma linguagem clara a cristãos e não-cristãos. Resultado: filmado com o orçamento pífio de cem mil dólares, já faturou mais de dez milhões. Nos EUA, ficou em cartaz em mais de mil cinemas por 17 semanas. No total, a produção está disponível em 57 países, 10 idiomas e em todos os continentes. Além disso, foi exibida em cruzeiros da Disney e em vôos das Linhas Aéreas Turcas – detalhe: a Turquia é majoritariamente islâmica.
 
A idéia de fazer o filme surgiu depois que a liderança da Sherwood tomou conhecimento de uma pesquisa que mostra que filmes têm uma influência maior na sociedade do que as igrejas. Em entrevista, o pastor da congregação, Michael Catt, disse que um dos elementos mais importantes na realização do longa-metragem foi a oração. ”Tudo foi feito em oração”, disse. Entre as realizações de “Desafiando os gigantes” estão:
 
– Depois do fim de semana de estréia, alcançou o primeiro posto no ranking do Yahoo por seus usuários;
– A famosa revista americana Sports Illustrated o incluiu na lista dos 10 melhores filmes esportivos do ano;
– O filme está sendo apresentado internacionalmente em igrejas, escolas e prisões;
– O filme foi ranqueado como o sexto mais vendido nos EUA após seu lançamento;
– A Assembléia Legislativa da Georgia homenagou a produtora e a Igreja pelo impacto positivo do filme.
 
”Somos responsáveis por ser verdadeiros com nosso público em nossos futuros projetos, afirma o Pr. Catt. Queremos ser cristãos de fato. Não queremos dizer às pessoas para ser boas, queremos encorajá-las a ser justas e retas. Não podemos e não vamos comprometer o Evangelho para fazer sucesso”, conclui.”

Padrão