reflexão

Reflexão – Salmos 143.10

Ensina-me a fazer a tua vontade, pois és o meu Deus.
O teu Espírito é bom; guie-me por terra plana.
Salmos 143.10

Anúncios
Padrão
palavra, reflexão

Reflexão – Lucas 1.49

Disse então Maria: A minha alma engrandece ao Senhor,

E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador;

Porque atentou na baixeza de sua serva; Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada,

Porque me fez grandes coisas o Poderoso; E Santo é seu nome.

Lucas 1.46-49

Padrão
reflexão

Reflexão – Salmos 40.8

[Salmo de Davi para o músico-mor]

Esperei com paciência no SENHOR, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor.

Tirou-me dum lago horrível, dum charco de lodo, pôs os meus pés sobre uma rocha, firmou os meus passos.

E pôs um novo cântico na minha boca, um hino ao nosso Deus; muitos o verão, e temerão, e confiarão no SENHOR.

Bem-aventurado o homem que põe no SENHOR a sua confiança, e que não respeita os soberbos nem os que se desviam para a mentira.

Muitas são, SENHOR meu Deus, as maravilhas que tens operado para conosco, e os teus pensamentos não se podem contar diante de ti; se eu os quisera anunciar, e deles falar, são mais do que se podem contar.

Sacrifício e oferta não quiseste; os meus ouvidos abriste; holocausto e expiação pelo pecado não reclamaste.

Então disse: Eis aqui venho; no rolo do livro de mim está escrito.

Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu; sim, a tua lei está dentro do meu coração.

Salmos 40.1-8

Padrão
palavra, reflexão

Reflexão – Mateus 8:25-27

E os seus discípulos, aproximando-se, o despertaram, dizendo: Senhor, salva-nos! que perecemos.
E ele disse-lhes: Por que temeis, homens de pouca fé? Então, levantando-se, repreendeu os ventos e o mar, e seguiu-se uma grande bonança.
E aqueles homens se maravilharam, dizendo: Que homem é este, que até os ventos e o mar lhe obedecem?
Mateus 8.25-27

Padrão
ilustrações, o autor viu..., reflexão

Sobre Pipas e Piões – Crer e Pensar

Duas brincadeiras me fascinavam quando criança: soltar pipa e rodar pião. O engraçado é que são justamente as que eu menos sei fazer. Falta-me a habilidade para ambas. Admiro quem sabe rodar o pião e quem sabe colocar uma pipa no alto e maneja-la bem (só colocar no alto até eu faço). Pipas e piões são brinquedos que têm muito a nos ensinar em suas táticas, maneiras e modo de serem usados. Somos quais pipas e piões… veremos isso…

Piões são brinquedos que só funcionam se desenrolados, se livres daquela cordinha que lhes dão “vida própria”. Assim somos nós… só funcionamos bem se desenrolados…mas não quero dizer com isso que são ruins as “cordas” que nos enrolam. Não… são elas que nos impulsionam… são elas que nos dão forças para girar… e girar…

Assim são os problemas para com a nossa vida. Devemos encara-los como força motriz de um novo caminhar. Ao nos livrarmos deles percebemos o quanto nos serviram para o amadurecimento, para “rodarmos” direito. Sim, um pião mal enrolado nunca girará corretamente. Até me faz lembrar as palavras antigas de um sábio… “no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo…”
Pipas são fascinantes também… vivem no céu. Uma pipa nunca é tão bela no chão quanto a é no ar… confiando na força do vento. Conta-se que um aprendiz de feiticeiro encontrou-se com uma formiguinha numa de suas caminhadas entre a serra e o mar… ao ver a formiguinha carregando uma folha bem maior que ela mesma, o moço perguntou: Como consegues carregar uma folha tão pesada em um corpo tão pequeno? A formiguinha respondeu-lhe sorrindo: – Aprendi a confiar na força do vento!

Essa é a lição da pipa… confiar na força do vento. Saber que o vento sempre lhe levará a um lugar bonito, onde poderá demonstrar toda a sua beleza e encantar crianças e adultos que sempre estarão dispostos a contemplar a beleza de pipas coloridas rasgando o céu azul.

Interessante é que o mesmo sábio que disse que teríamos aflições no mundo também disse algo sobre o vento… “O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai… assim é todo o que é nascido do espírito”. Engraçado é que no grego clássico as palavras “vento” e “espírito” são uma só: Pneuma. Há uma identificação do vento com o espírito…

Precisamos confiar na força do vento… deixar que ele nos mostre o caminho… confiar que há algo melhor “além do arco-iris”… Não nos prendermos a coisas materiais de forma que não sejamos mais livre… o vento sopra onde quer… uma hora aqui… outra ali… não sabes pra onde vai… assim é todo aquele que deixa se levar. Pessoas mesquinhas estão sempre presas, não sabem o que é se deixar levar pelo vento… nunca experimentaram a alegria de voar leve…à toa! Mas há ainda duas coisas que quero falar sobre pipas e piões: uma que os distingue e outra que os une, que os tornam iguais. E ambas nos trazem lições importantes.

A primeira, que os distingue, é que piões rodam no chão… na terra… e pipas voam… estão sempre nos ares. Essa é a primeira lição… transcendência e imanência… sentimento e ação… precisamos voar… e ter os pés no chão… saber a hora de levantar vôo, viajar, transcender e saber a hora de pôr os pés no chão…. caminhar firme… enfrentar o pó da estrada… e a hora da união… verbo se fazendo carne.

A segunda lição, que os une, pipas e piões só têm beleza se manejados por mãos habilidosas. Como eu disse… nunca tive essa habilidade. Pipas e piões não são pra qualquer um. Nossas vidas, tais pipas e piões só se mostrarão belas em mãos seguras, habilidosas… e não há mãos melhores para pipas e piões do que as mãos que os fazem… assim como não há mãos melhores para o homem do que as mãos do criador…

O sábio a quem me referi no texto é Jesus, o Cristo… criador de todas as coisas… ele declarou que não deveríamos nos desesperar com os problemas… porque ele os venceu… não há meio melhor de voar, nem girar do que “impulsionados” pelas mãos de quem tudo criou… aquele “que até o vento lhe obedece”.

Com todo carinho,

José Barbosa Junior

Padrão